Encontre aqui as atribuições de cada especialista em sua área de atuação:


ATRIBUIÇÕES DO ESPECIALISTA EM RADIOTERAPIA

A Física da radioterapia é a área da física médica relacionada ao uso da radiação ionizante no tratamento das neoplasias malignas. As técnicas associadas a esta área utilizam aparelhos de raios-X de ortovoltagem, unidades de cobalto-60 e aceleradores lineares, além de fontes de radiação constituídas de isótopos radioativos como césio-137 e irídio-192 e outros.

Os físicos especialistas nesta área deverão possuir conhecimentos sobre a física médica básica, bem como sobre técnicas de planejamento de tratamento, dosimetria de feixes terapêuticos, calibração de sistemas remotos de after-loading, radiobiologia e radioproteção.

As atividades de competência dos físicos que atuam em Radioterapia incluem:

=> Participar direta e ativamente na elaboração dos tratamentos radioterápicos, tanto no cálculo da dose como na garantia do controle de qualidade desse tratamento.

=> Obter todos os parâmetros clínicos relevantes para uso em planejamento de tratamento em todos os equipamentos de terapia.

=> Calibrar os feixes terapêuticos em termos de dose absorvida.

=> Desenvolver e executar programas para testes de aceite e controle da garantia da qualidade dos equipamentos de terapia disponíveis no serviço de radioterapia, segundo as normas e critérios internacionais.

=> Manuseio e operação de câmaras de ionização, eletrômetros e outros instrumentos que permitam avaliar as condições de a calibração dos equipamentos de terapia.

=> Elaborar um programa de controle de garantia de qualidade para os dosímetros clínicos. Executar a calibração dos padrões terciários periodicamente.

=> Supervisionar o funcionamento dos equipamentos utilizados nessa modalidade de tratamento e os trabalhos de manutenção dos equipamentos prestados por terceiros.

=> Conhecer aplicações clínicas básicas utilizadas para diagnóstico do câncer: raios-X diagnóstico, tomografia computadorizada, mamografia, etc.

=> Organizar e apoiar o planejamento de programas de treinamento e formação de recursos humanos na área de física de radioterapia, bem como participar de programas de residência ou especialização médica, e de formação de técnicos especializados.

=> Ser o supervisor de proteção radiológica do serviço de radioterapia.

=> Executar cálculos de blindagem de salas dos equipamentos de radioterapia.

=> Realizar levantamentos radiométricos em salas onde estão instalados equipamentos radioterápicos, assegurando que as mesmas estão dentro das exigências das normas em vigor. Propor métodos de otimização da radioproteção.

=> Desenvolver e executar programas de proteção radiológica dirigidos aos pacientes submetidos a tratamentos que envolvam o uso de substâncias radioativas e aos funcionários cujas atividades envolvam manuseio ou exposição a essas substâncias.

=> Estabelecer instruções para condutas em situações de emergência ou em caso de acidente radiológico.

=> Elaborar planilhas dos resultados das doses recebidas, pelos funcionários, de acordo com os resultados da monitoração individual mensal, em atendimento a exigência da CNEN.

=> Conhecer as normas nacionais e internacionais desta área, bem como participar de atividades das comissões nacionais para o desenvolvimento de textos normativos para radioterapia.

=> Dar apoio administrativo e logístico em assuntos relacionados com o planejamento e aquisição de novos equipamentos de terapia e de sistemas de medida.

=> Formular, organizar, participar, gerenciar, procurar apoio financeiro e outras atividades relacionadas a desenvolvimento de projetos de pesquisa na área.


ATRIBUIÇÕES DO ESPECIALISTA EM RADIODIAGNÓSTICO

A Radiologia Diagnóstica (ou radiodiagnóstico) é a área da física médica relacionada ao uso da radiação-X para a obtenção de informações anatômicas e/ou funcionais do corpo humano. As técnicas associadas à esta área utilizam tubos de raios-X como fontes de radiação e, em sua grande maioria, filmes para o registro das informações. Além dos filmes radiológicos são também utilizados sistemas de televisão e, em equipamentos mais modernos, sistemas de digitalização utilizando computadores.

Os físicos especialistas nesta área deverão possuir também conhecimentos sobre a física médica básica, bem como sobre técnicas associadas como a ressonância magnética nuclear e ultra-sonografia, além de radioproteção.

As atividades de competência dos físicos que atuam em Radiodiagnóstico incluem:

=> Especificar e operar equipamentos como: sistemas radiológicos convencionais de uso médico e odontológico, equipamentos de fluoroscopia, mamografia, angiografia, cinefluorocoronareografia, radiografia odontológica periapical e panorâmica, tomografia convencional, tomografia computadorizada, processadoras manuais e automáticas de filmes radiográficos, câmaras multiformato e outros tipos de impressoras.

=> Desenvolver e implementar programas para análise de aceitação, controle e garantia de qualidade nos equipamentos citados no item a).

=> Administrar análises de rejeição de radiografias em departamentos de radiodiagnóstico, incluindo avaliação e otimização de custos.

=> Operar câmaras de ionização e outros instrumentos que permitam avaliar condições de calibração de equipamentos de raios-X ou processadoras de filmes como medidores não invasivos de kVp e tempo de exposição, sensitômetros, densitômetros, termômetros de imersão, e outros.

=> Conhecer aplicações clínicas básicas utilizadas em radiodiagnóstico convencional, e em técnicas especializadas como tomografia convencional e computadorizada, mamografia, e outras.

=> Organizar programas de treinamento e formação de recursos humanos na área da radiologia diagnóstica, bem como apoiar o planejamento e participar em programas de residência médica, especialização e formação de técnicos especializados.

=> Ser o supervisor de proteção radiológica na área de radiodiagnóstico.

=> Realizar levantamentos radiométricos em salas onde estão instalados equipamentos radiológicos e propor métodos de otimização da proteção.

=> Conhecer as normas nacionais e internacionais desta área, bem como participar de atividades para o desenvolvimento de textos normativos para radiodiagnóstico.


ATRIBUIÇÕES DO ESPECIALISTA EM MEDICINA NUCLEAR

A Física da Medicina Nuclear é a área da Física-Médica relacionada ao uso de radionuclídeos para fins de diagnóstico e terapia, por isso, os físicos especialistas nesta modalidade devem estar aptos a realizar as atividades específicas associadas a ela. Além disso, eles devem possuir uma formação geral e básica sobre a Física-Médica, em especial, sobre as outras modalidades de imagens médicas como a radiologia, a ressonância magnética nuclear e a ultrassonografia.

As atividades da competência dos físicos que atuam em Medicina Nuclear incluem:

=> Especificar, calibrar e manusear equipamentos: câmara de cintilação estacionária e câmara tomográfica por emissão de fóton único (SPECT), tomógrafos por emissão de pósitrons, equipamentos híbridos (SPECT/CT, PET/CT e PET/RM), contadores cintilográficos sólidos e líquidos, sistemas de medidas de captação, monitores de área, calibradores de dose, sistemas computacionais, sistemas de registro, processadores de filmes, e outros.

=> Desenvolver e executar programas de aceitação, controle e garantia de qualidade dos equipamentos e imagens de Medicina Nuclear, segundo normas e critérios de IAEA, CNEN, ACR/NEMA, AAPM, HPA, e outros.

=> Atuar em proteção radiológica: monitorar, controlar e realizar a proteção radiológica do ambiente, público, pacientes e pessoal de trabalho; manipular e gerenciar os rejeitos, descontaminar e controlar incidentes e acidentes radioativos; planejar áreas de manuseio, uso e armazenamento de materiais radioativos não-selados (gases, líquidos e sólidos); implementar normas e regulamentos locais, nacionais e internacionais, otimizar a proteção radiológica;

=> Proceder a dosimetria de pacientes: calcular doses internas; planejar e monitorar procedimentos terapêuticos com radioisótopos.

=> Apoiar a área de Radiofarmácia: no manuseio de geradores de radionuclídeos e de fontes não-seladas, controle de atividades manipuladas e administradas, além do suporte às boas práticas de radioproteção e qualidade dos radiofármacos manipulados.

=> Apoiar as indicações clínicas, desenvolvendo protocolos de aquisição de dados e de técnicas de processamento digital e análise;

=> Atuar no treinamento e formação de recursos humanos na área de Medicina Nuclear: no planejamento e participação em programas de residência e de especialização médicas, e de formação do quadro técnico multiprofissional.

=> Ser o supervisor de proteção radiológica do serviço de medicina nuclear;

=> Dar apoio administrativo e logístico em assuntos relacionados com planejamento, uso, compra e transporte de equipamento e materiais radioativos não-selados e seus derivados;

=> Formular, organizar, participar, gerenciar, procurar apoio financeiro e outras atividades relacionadas a desenvolvimentos de projetos de pesquisa na área.